12/2/20

Porto

Porto de Santos exporta mais de 2,6 milhões de sacas de café em janeiro

Fonte: A Tribuna

Mais de 2,6 milhões de sacas de 60 kg de café foram embarcadas no Porto de Santos em janeiro. Apesar da queda de 5,8% no volume em relação a janeiro do ano passado, o cais santista ampliou sua participação nas exportações da commodity. O complexo marítimo foi o responsável por 83,2% dos embarques nacionais do produto.

Os dados são do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). A entidade aponta, ainda, que, em janeiro, mais de 3,2 milhões de sacas do produto foram exportadas em todo o Brasil. O volume dos embarques registrou crescimento de 5,3%.

A receita gerada com os embarques no mês foi de US$ 438,1 milhões, um crescimento de 11,7% em relação a janeiro do ano passado. Já o preço médio da saca de café foi de US$ 136, uma alta de 6%.

Em janeiro, também houve crescimento na utilização de contêineres para o transporte do café

Em janeiro, também houve crescimento na utilização de contêineres para o transporte do café (Carlos Nogueira/AT)

Além do Porto de Santos, outros 13 complexos portuários escoaram o café brasileiro. Os portos do Rio de Janeiro foram responsáveis por 11,7% dos embarques. O volume é equivalente a 377.201 sacas.

O porto de Vitória (ES) escoou 61.549 sacas, 1,9% do café brasileiro. Em seguida, o porto de Paranaguá (PR) embarcou outras 41.419 sacas, 1,3% do total. Em Salvador (BA), foram exportadas 18.995 sacas, apenas 0,6% do produto nacional.

Também vem crescendo a utilização de contêineres para o transporte do café. Em janeiro, 9.993 TEU (unidade equivalente a um cofre de 20 pés) foram utilizados. No mesmo mês do ano passado, 8.947 TEU transportaram o produto brasileiro rumo ao mercado internacional.

“O crescimento dos investimentos, a agenda prioritária em infraestrutura no país e a queda da taxa de juros e dos índices de inflação mostram um cenário com positivo fundamento para a economia brasileira e todo o nosso setor”, destacou o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes.

Mercado

Em janeiro, o balanço das exportações mostra que os Estados Unidos e a Alemanha continuam como os países que mais consomem café brasileiro. Eles importaram, respectivamente, 617,9 mil e 617,1 mil sacas, o equivalente a 19,2% das exportações no mês para cada país.

Na sequência, aparecem Itália, com 259,6 mil sacas compradas (8,1% das exportações); Japão, com 192,9 mil sacas (6%); Bélgica, com 150,1 mil sacas (4,7%); Federação Russa, com 121,3 mil sacas (3,8%); Turquia, com 94,3 mil sacas (2,9%); Canadá, com 83,4 mil sacas (2,6%); Suécia, com 76,7 mil sacas (2,4%); e Coreia do Sul, com 67,5 mil sacas (2,1%).

“Comprovando mais uma vez a qualidade e sustentabilidade do agronegócio do café brasileiro, pela primeira vez, a Coreia do Sul entra para a lista dos 10 maiores importadores, dado que o país é reconhecido por sua alta exigência em qualidade no mercado internacional e junto com o Japão podem influenciar o aumento do consumo do café brasileiro nos demais países asiáticos, principalmente na China”, afirma Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé.

Os embarques para os países produtores, por sua vez, também registraram crescimento, de 24,4%, com 120,4 mil sacas embarcadas no mês, destacando-se as compras de café verde do México e da Colômbia, que resultaram na participação entre os produtores, importadores do café verde, de 52,5% e 34,1%, respectivamente.

Em janeiro, o Brasil exportou 628,9 mil sacas de cafés diferenciados (aqueles que têm qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis) que representaram 19,5% do total embarcado no mês. A receita cambial dessa modalidade foi de US$ 108,2 milhões, o que corresponde a 24,7% do total gerado com os valores da exportação de café, enquanto que o preço médio ficou em US$ 172,09.